jusbrasil.com.br
12 de Dezembro de 2018

Advogados serão substituídos por tecnologia inteligente

O desafio da tecnologia é ajudar os profissionais a focarem no trabalho estratégico, muito mais estimulante.

Matheus Galvão, Advogado
Publicado por Matheus Galvão
há 8 meses

Related image

Antes que você pense que eu defendo o fim da profissão, eu só quero compartilhar a notícia abaixo e mostrar como a tecnologia auxilia os profissionais a focarem no trabalho muito mais estimulante e produtivo.

Eu não duvido que muitos dos que são contra essa "invasão" tecnológica fazem um trabalho maçante com planilhas... Algo totalmente operacional e mecânico. Uma máquina ou uma aplicação poderiam fazer o mesmo sem o menor esforço. Tenho amigos que saem exaustos de um dia de trabalho em escritório. Eles não fazem trabalho intelectual algum. Então, por que somos tão reativos à inovação?

O artigo é de Junior Borneli, Especialista em startups e co-fundador do StartSe, maior ecossistema de startups do Brasil


Localiza economiza milhões investindo em tecnologia jurídica

Empresa reduziu em quase 50% o número de processos cíveis

Não é segredo que uma das vantagens de grandes corporações trabalharem com startups é a possibilidade de redução de custos. Isso não foi diferente com a Localiza Hertz, que viu uma oportunidade de otimizar a sua área jurídica e ainda evitar gastos desnecessários com contratação de mais funcionários.

Segundo Christiano Xavier, head jurídico da Localiza, a área passava por dificuldades, uma vez que a empresa tinha por volta de 20 mil processos em andamento: “Para dar conta de todos os processos, a gente deveria ter por volta de 100 pessoas na área”, revela.

Esse case de sucesso foi contado durante o maior evento de lawtechs do Brasil, no ano passado. A segunda edição do LawTech Conference será realizada no dia 15 de maio, em São Paulo, e vai reunir mais de 2 mil advogados, além de uma exposição com mais de 60 empresas.

A solução para o problema veio de forma inesperada, quando Christiano conheceu Bruno Feigelson, CEO da Sem Processo, e Flávio Ribeiro, CEO da NetLex. Ambos empreendedores traziam formas de otimizar a área jurídica, o que chamou a atenção do head jurídico, que topou fazer um piloto com as iniciativas.

A aposta deu muito certo: a empresa teve um ganho de produtividade muito grande, o que valoriza o trabalho do advogado, que pode fazer um trabalho mais estratégico. Segundo Xavier, a empresa conseguiu reduzir em quase 50% o número de processos cíveis. “A gente prevê que essa redução tenha gerado uma economia de alguns milhões para a empresa”.

No momento, algumas das startups jurídicas que estão atuando lado a lado com a Localiza são: NetLex, Sem Processo, Concilie, Jurídico Certo, Justto, LegalInsights, Linte e mais. Com tantos ganhos, o head jurídico não pensa em parar por aí. O objetivo é continuar apostando em lawtechs tanto de data analytics, jurimetria, inteligência artificial, etc.

Para saber mais sobre o LawTech Conference, acesse o site oficial do programa.


Fonte: StartSe

12 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Bom dia Matheus

Esse teu artigo (esse que citou) me fez lembrar de um vídeo que recebi no WatsApp, há algum tempo...INFELIZMENTE eu o perdi (havia guardado porque achei super interessante, inclusive para redigir um artigo); mas perdi!

Ele falava sobre o fim de certas profissões; muitas sumirão e outras aparecerão.
Nesse referido vídeo, o que me assustou mais foi uma parte que dizia: "SE VOCÊ ESTÁ FAZENDO DIREITO, PARE AGORA"!

Era interessante ver e ouvir o vídeo, mas depois do teu artigo eu procurei muito, até no youtube para citá-lo aqui.....FIQUEI UM POUCO "HORRORIZADA" com algumas verdades que já aconteceram e que vem acontecendo....só vendo para crer.

Com essa procura que fiz acabei encontrando outro tanto de vídeo - não tão bom quanto ao que vi, mas o youtube está cheio de vídeos sobre a extinção de certas profissões (vale a pena ver e ouvir).
VEJA ESSE POR EXEMPLO: https://www.youtube.com/watch?v=oDcgWE_3VII

Ou evoluímos juntos com o mundo ou ficamos ultrapassados, defasados e perdemos até o ganha pão. kkkkkkk
Tenha um bom dia
Sucesso aí
*quando falo que fiquei horrorizada pensei só na minha profissão - mas em um geral as coisas devem evoluir mesmo - nós é que temos que nos adaptar. kkk continuar lendo

Acho que eu tenho esse vídeo que você falou salvo em algum lugar!! Se quiser, eu posso te mandar! continuar lendo

Olá Luis Felipe, bom dia
Envie o link por aqui se der - ficaria agradecida.
Mas se não der certo por aqui, tá tudo bem; era só para citar em um artigo que queria fazer; mas o Matheus já fez isso muito bem. De qualquer forma já agradeço pela disposição!
Boa tarde e bom trabalho continuar lendo

Não acredito na completa substituição do advogado pela inteligência artificial.

Creio, isso sim, que a automação de processos "braçais" (juntadas de petições, adaptação de modelos a momentos processuais pré-determinados, comparação de contratos, detecção da existência de determinadas cláusulas em contratos e acordos...) diminuirá os postos de trabalho da advocacia e acirrará a competição entre os profissionais.

Este movimento, aliás, da tecnologia afetando a advocacia, vai muito além do emprego da inteligência artificial. O próprio processo eletrônico, ao passo em que agiliza o trâmite processual, tolhe alguns postos de trabalho da advocacia. O peticionamento virtual, por exemplo, dispensa a necessidade de contratação de correspondente para protocolar pedidos; o alvará digital dispensa o correspondente para buscar o documento; as tele-audiências (ainda em desenvolvimento) dispensam a necessidade de um profissional "in loco".

Enfim, o impacto da tecnologia já vem sendo sentido na advocacia há algum tempo - e a tendência é que este movimento vá muito mais longe.

Traçando um comparativo: a revolução industrial tolheu inúmeros postos de trabalho dos operários. A classe, porém, não desapareceu por completo: ainda são necessários operários para pôr as máquinas em funcionamento, lhes dar manutenção e lhes monitorar. A mesma lógica se aplica a inúmeras outras profissões, que não desapareceram, mas precisaram se reinventar.

Penso que as peculiaridades da advocacia não permitem sua completa substituição por máquinas.

O que ocorrerá será uma reinvenção da atividade, mediante reciclagem dos profissionais, que deverão explorar áreas onde as máquinas não lhe possam fazer as vezes - investindo, por exemplo, nas relações humanas, no atendimento personalizado, na atenção ao cliente, na persuasão em negociações e na criatividade na adoção de soluções para os problemas do cliente. continuar lendo

Artigo muito vazio. O título tá servido mais como marketing da amedrontasão do que realmente é a verdade. Reduz os processos em 50%, tá tudo bem, mas de que forma? Existem vários ramos do direito... você está falando de todos? Como seria isso? O sistema de interligação dos dados entre outros órgãos ainda é muito precário no Brasil... tá querendo vender algo que não existe no dia a dia do Brasileiro. continuar lendo

Prezados,

Há muito os bancos possuem um sistema próprio que substitui advogados para elaboração de defesas de massa no âmbito do direito do consumidor.

Trata-se do CLICADOR.

O advogado lê a inicial e vai clicando numa tela os pedidos.

O sistema, por sua vez, cria uma peça de defesa com as teses jurídica que o próprio Banco possui e que estão na base de dados do programa.

Aí não está a substituição da mente humana ?

Pensemos nisso...

Segue um link que trata deste assunto tão polêmico:

Com robôs, escritório atua em mais de 360 mil processos com 420 advogados https://www.conjur.com.br/2016-mar-05/robos-escritorio-atua-360-mil-processos-420-advogados continuar lendo